Na programação da 12a CineBH, entre os dias 28 de agosto e 2 de setembro, a Mostra “A Cidade em Movimento” exibe 16 filmes e promove cinco Rodas de Conversa, dando visibilidade a produções audiovisuais feitas às margens dos meios tradicionais de realização e que surgem como inclusão social de novas manifestações artísticas.

Criada em 2016 no âmbito da programação da CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte, a Mostra A Cidade em Movimento se configura numa ação coletiva que dialoga com as questões, pulsações e movimentos da capital mineira e região metropolitana. São expressões artísticas que passam pela performance, exibição de filmes, rodas de conversa e outras manifestações, funcionando como janelas de visibilidade aos discursos produtivos e criativos de quem movimenta o espaço urbano em suas diversas variáveis. São trabalhos comumente feitos nas margens da produção, que a CineBH valoriza e dá visibilidade assegurando espaço de destaque na programação do evento.

Em 2018, chega a sua terceira edição e é parte integrante da programação da 12a CineBH, que acontece entre os dias 28 de agosto e 2 de setembro. O tema proposto para esta edição é “Deslocamentos” e busca refletir o lugar da câmera na produção da memória social, cultural e política de Belo Horizonte e região. Serão apresentados filmes que se interconectam em espaços reais e virtuais, que migram das ruas às telas do cinema, das redes sociais para a sala escura, das periferias ao centro da metrópole, do ambiente de convivência de mulheres, negros e negras, comunidades tradicionais e realizadoras e realizadores LGBTQI+ para encontrarem um público amplo.

A curadora da Mostra A Cidade em Movimento, a pesquisadora, produtora e ativista Paula Kimo, diz que, diferentemente das edições passadas, cujos destaques foram para os movimentos sociais, artísticos e políticos de Belo Horizonte e Região Metropolitana, a mostra de 2018 quer apresentar algo do cotidiano, dos deslocamentos rotineiros e dos embates diários vividos pela população em sua relação com a cidade.

“Se na primeira e segunda edição tentamos trazer os movimentos emergentes locais, dessa vez evidenciamos a cidade no movimento constante que a mantém viva, tanto do ponto de vista das suas potências quanto em relação às suas fragilidades, e como isso constrói os modos pelos quais as pessoas se relacionam nela e com ela”, diz a curadora. “São filmes em que a câmera sai pelas ruas da cidade, registra as culturas populares, denuncia as violências e documenta os fatos históricos e políticos do nosso atual momento”.

Em cinco sessões, serão apresentados 16 filmes (13 curtas, 2 médias e um longa-metragem), com recortes bem definidos pela curadoria. Após cada sessão de cinema, será promovida  uma Roda de Conversa com a presença de convidados para debates com o público. A programação desta Mostra acontece no Sesc Palladium, parceiro do evento. Os filmes serão exibidos na sala de cinema e as rodas de conversa no foyer da rua Augusto de Lima.

A primeira sessão tem como enfoque “A Cidade e seus Múltiplos”, com exibição de filmes que mostram os deslocamentos urbanos, tanto territoriais quanto simbólicos, e também algumas violências que a cidade produz nos processos de disputa pelo território, caso do curta Favela em Diáspora, documentário sobre o Morro do Papagaio e a migração compulsória de seus moradores por exigências da prefeitura. A Roda de Conversa será com o historiador Guilherme Melo.

A segunda sessão, o tema é “Cidade e Memória”, traz filmes produzidos por novos cineastas de Belo Horizonte sobre fatos históricos ocorridos no Brasil e América Latina e ainda produções que se tratam dos tempos da ditadura e das instituições manicomiais. Um dos títulos é Memória Essencial, que trata de familiares mineiros desaparecidos na Guerrilha do Araguaia. Na Roda de Conversa, a presença é do professor e antropólogo André Zarankin.

A terceira sessão, já enfoca “Corpos Políticos”, destaca o lugar de fala colocando em cena corpos de pessoas trans, negras, mulheres e profissionais do sexo, para que todos possam se posicionar e se manifestar. Destaque para as atuações de Ed Marte, Cristal Lopez e Teuda Bara na ficção Quatro Paredes; e para o documentário Nós Determinamos o que Somos pelo que Fazemos, em que a travesti e performer Titi Rivotril grava seu cotidiano com um aparelho celular e nos coloca diante dos desafios desse corpo político na cidade. Logo em seguida, a Roda de Conversa conta com o poeta e dramaturgo João Maria Kaisen.

A quarta sessão, “Acontecimentos”, traz dois filmes de ficção que abordam gravidez, aborto e a juventude periférica, em situações que demandam o deslocamento de olhares habitualmente cristalizados para que essas realidades possam se transformar. Um dos destaques é Desacertos, produzido numa oficina com um grupo de jovens do Jardim Leblon. A professora de cinema Tatiana Carvalho Costa é a convidada para a Roda de Conversa que se segue.

Por fim, a mostra se encerra com a sessão “Quilombos Urbanos”, que tem um curta-metragem sobre a Segunda Preta, importante movimento político de artistas negros e negras da cidade, e tem ainda o longa Eles Sempre Falam por Nós, de Carina Aparecida, que filma as mulheres do quilombo Luízes. Na Roda de Conversa, o bate-papo é com a atriz e griot Zora Santos.

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO DA MOSTRA “A CIDADE EM MOVIMENTO
Local: Sesc Palladium * Cine Sesc Palladium (Sala Prof. José Tavares de Barros) * Foyer Rua Augusto de Lima

SESSÃO 1 - A CIDADE E SEUS MÚLTIPLOS
29/ago - quarta - 19h

"A cidade e seus múltiplos" exibe filmes sobre os deslocamentos que a cidade provoca, tanto territoriais, quanto simbólicos. Por um lado, a sessão coloca em cena as potências provocadas por estes deslocamentos, por outro, torna visível as violências que a cidade produz em seus processos de disputa pelo território. 

  • CENAS URBANAS, de Rodrigo Sampaio Cauhi e Tobias Cazarini Trotta
  • BH É O TEXAS, de Jorge Mairink, Marcelo Lin e Marcão Pesada
  • MARQUINHOS E PRINCESA, de Nélio Costa
  • FAVELA EM DIÁSPORA, de Gabriela Matos
  • DE MÃO EM MÃO, de Clebin Quirino & Das Quebradas

Convidado Roda de Conversa: Guilherme Melo – historiador | MG


SESSÃO 2 - "CIDADE E MEMÓRIA"
30/ago - quinta - 19h

"Cidade e Memória" traz filmes produzidos por novos cineastas de Belo Horizonte sobre fatos históricos ocorridos no Brasil e América Latina, além de filmes que trazem marcas que a nossa cidade ainda carrega sobre os tempos da ditadura e das instituições manicomiais. Contra a ditadura e contra os manicômios, contra tudo que aprisiona e cerceia o livre direito de ir e vir, a sessão é uma resposta da cidade para os tempos sombrios que estamos vivendo. 

  • VÍDEO-CARTA, de Priscila Musa
  • SERRA VERDE, de Luciene Araujo
  • MEMÓRIA ESSENCIAL, de Luciene Araujo e Ceres Canedo
  • ARARA: UM FILME SOBRE UM FILME SOBREVIVENTE, de Lipe Canêdo

 Convidado Roda de Conversa: Andrés Zarankin - professor e antropólogo | MG


SESSÃO 3 - CORPOS POLÍTICOS 
31 /ago - sexta - 19h

"Corpos Políticos" coloca em cena a vida ordinária de pessoas trans, negras, mulheres e artistas, abrindo espaço para que esses corpos possam se posicionar e se manifestar diante da cidade, na mesma medida em que emergem de um cotidiano comum e singular. Corpos que reivindicam e apontam um lugar de fala para seu modo de ser e se relacionar em comunidade, tornando visíveis e habituais seus desafios e potências.

  • QUATRO PAREDES, de Pedro Estrada e Breno Alvarenga
  • ROSA, de Dea Vieira
  • NÓS DETERMINAMOS O QUE SOMOS PELO QUE FAZEMOS, de Titi Rivotril e Clara Antunes

 Convidado Roda de Conversa: João Maria Kaisen - poeta e dramaturgo | MG



SESSÃO 4 - ACONTECIMENTOS
01 /set - sábado - 19h

A sessão "Acontecimentos" exibe filmes de ficção que abordam questões da mulher - a gravidez, o aborto - e também da juventude da nossa cidade. Situações vivenciadas do centro às margens da cidade e que demandam o deslocamento de olhares habitualmente cristalizados para que essas realidades possam mostrar seus pontos de ressignificação. 

  • LOGO APÓS, de Ana Carolina Soares
  • DESACERTOS, de Flávia de Paula

 Convidada Roda de Conversa: Tatiana Carvalho Costa - professora de cinema | MG

 

SESSÃO 5 - QUILOMBOS URBANOS
02/set - domingo - 18h

Luízes - um quilombo urbano tradicional, ao lado da Segunda Preta - um quilombo urbano das artes. A sessão reúne dois filmes que colocam em cena distintas formas de organização dos povos negros na cidade. Das lutas pelo espaço de fala, ao cotidiano dessas potentes aglomerações, os filmes destacam o lugar da mulher negra na resistência, ou também dizendo, na sobrevivência desses universos. 

  • SEGUNDA PRETA, de Pablo Bernardo
  • ELES SEMPRE FALAM POR NÓS, de Carina Aparecida

 Convidada Roda de Conversa: Zora Santos - atriz e griot | MG